domingo, 29 de Novembro de 2009

Sistema Reprodutor

Continuando a estudar o Sistema Reprodutor, os debates têm sido uma constante na sala, havendo espaço para os golfinhos colocarem as suas dúvidas e mostrarem os seus conhecimentos.
Na quinta-feira, estivemos ainda a assistir a um filme
sobre Educação Sexual: "Então é assim".
Este filme de animação para crianças é uma co-produção dinamarquesa-canadiana que transmite informação acerca da sexualidade, reprodução, os abusos sexuais, mas também sobre o afecto e o amor.
Foi transmitido na televisão há 2 anos pela RTP2, mas foi dado a conhecer à professora-golfinha aquando da
realização de uma acção de formação acerca do tema.

Podem assistir ao filme, clicando nas seguintes imagens:




7 comentários:

Anónimo disse...

Não revejo a educação sexual dos meus filhos neste vídeo. Não o vejo por ser pornograficamente explícito, descaradamente cru e responsabilizante em miúdos que ainda não têm maturidade para serem responsabilizados pelo critério do "apetece-me" ou "sabe bem". Lamento ter sido mostrado às nossas crianças, que veio a falar de espermatozóides e de trompas de falópio, sem critério nem necessidade. Tenho pena que a sexualidade tenha que ter este comportamento tão funcional de, se gosto de uma pessoa, então posso introduzir o meu pénis duro na vagina da pessoa que eu gosto. Estou triste por reduzirem a sexualidade a uma trivialidade materialista - e com a leve referência a afectos desculpabiliza-se a entrega temporária de duas pessoas, porque o mundo de hoje não preza os compromissos de longo prazo. O sexo agora é mais sujo do que no tempo do puritanismo - porque é completamente assumido e partilhado fora da intimidade - do casal, da família, dos amigos - e é apregoado num manual de 10 lições.
Lamento. Estou triste e decepcionado.

Nuno Paisana

aida disse...

Obrigado Marisa!
Não é fácil falar deste tema com crianças desta idade. Falar do assunto de forma aberta é sempre bom e estar informadas é a melhor forma de cada um formar a sua opinião fundamentada e reflectida. Também foi um óptimo mote de conversa cá em casa...um bom ponto de partida para desabafar com a família e revelar as nossas duvidas e indeguranças.
Beijos

Andreia disse...

Subscrevo tudo o que a Aida disse, obrigado Marisa!
Beijinho apertado

Anónimo disse...

Também sou de opinião que, tudo o que é natural, pode e deve ser falado com naturalidade. Dar oportunidade às crianças de perguntar, dar-lhe respostas consisas e concretas, sem mentiras nem tabus é até uma obrigação de pais e educadores.
Beijinhos
Maria João

Anónimo disse...

Desconheço os conteúdos programáticos do 3.º ano sobre este tema em concreto. Contudo, a minha opinião pessoal é de que esta abordagem (sobretudo o filme, por demasiado explícito para crianças de 8/9 anos) está demasiado avançada para a idade. E julgo que não haveria necessidade de se ir tão longe.
Para que não fiquem quaisquer dúvidas, quero desde já deixar bem claro que o meu comentário não está de modo algum relacionado com o facto de eu ter 57 anos e ser, certamente, o pai mais velho da turma dos Golfinhos. Embora possa estar "desactualizado" e não seja propriamente um puritano, continuo a prezar o que pessoalmente considero "bom senso".
Manuel Lopes (pai da Maria)

Fausto Santos disse...

Olá Marisa,
E Parabens. Conhecia o filme, acho-o maravilhosamente despreconceituado e fico contente por, em sua companhia e na instituição que é a escola, ser explicado às crianças como se passam as coisas - chocado ficaria se ouvisse falar em cegonhas! Os afectos somos nós, pais e mães, que temos que lhos saber transmitir e valorizar. Não vejo nada de pornográfico neste filme porquanto não tem nada de "apelativo" ou "sedutor" de forma perversa em termos de sexualidade - é uma mera explicação do processo reprodutor e muito bem feita. A discussão sobre se a sexualidade é "trivial" (bolas se é, desde que os tempos são tempos que se pratica!), a importância dos afectos, etc., parece-me que estamos a misturar assuntos: a sexualidade é trivial e fisica, agora o que nos pode levar a ter relações sexuais com alguém já é outro assunto mais complexo e que não cabe à escola debater ou explicar. Acho sinceramente desproporcionado o primeiro comentário publicado que mistura assuntos e utiliza algumas expressões "dispensáveis" (p.. duro?!?!?).
Os meus parabéns pela coragem. Fausto Santos

Anónimo disse...

Olá , eu sou Larissa tenho 11 anos e eu tenho um trabalho da escola para fazer com o tema de sexualidade!
Me ajudem.