quinta-feira, 11 de novembro de 2010

MAIS UM BOM TEXTO DO HENRIQUE

Olá amigos golfinhos!
O Henrique enviou-me outro texto escrito por ele, valorizando e melhorando outro que já tinha escrito há um tempo atrás.
Continuo à espera das vossas contribuições...

Não se esqueçam que este nosso cantinho precisa ser alimentado para não cair no esquecimento!

Beijocas grandes


--------------------------------------------------------------------
Um passeio de balão

Um dia fui passear de balão.

Quando estava lá dentro, estava tão alto que até vi um extraterrestre.

Aterrei num planeta muito estranho chamado ”Lafique”.

Saí do balão e, curioso, fui explorar as grutas. Eram finas e molhadas.

Estavam, nas paredes, bichinhos pegados que se chamavam “crómitos“.

Já muito cansado, voltei para casa de carro, porque já era noite.

No dia seguinte voltei ao planeta “Lafique” de balão.

Tive de dormir lá porque já era muito tarde e o carro voador estava na oficina a arranjar.

Procurei um sítio onde ficar e vi um extraterrestre que estava numa gruta a recolher “crómitos” para o jantar. Então, fui ter com ele e disse:

- fswetfdhga?(Sabes de algum sítio onde eu possa dormir?)

- fersadf (Sim,sei) -disse ele.

- deredsgfdfghgffgygr (Ainda bem) -disse eu.

Segui-o e fui ter a um buraco que era a cidade dos extraterrestres.

A cidade dos extraterrestres era muito grande, tinha fogo no centro

da cidade. Estavam a deitar um extraterrestre para o fogo e

eu disse:

- fdtgfcfgmbhbdfcjdkdj! (Parem!).

Então o rei disse:

- sgfrfcfcdyyddhfcfxgfrufrfgftyfgtfuf (Tem de ser, ele não sabe saltar e nós todos sabemos) e eu disse:

- fggvbsdhhbhuudjfhdxhyyshhjuhhdieezberbgdudfifh (Ele não saber saltar não é razão para o deitar para o fogo, em vez disso podem ensiná-lo).

Então o rei perguntou logo:

- fdffhyhccyjhcjgjvfjghdfgjgfjgfvgjggvghyggu (O que é ensinar?)

E eu respondi:

- vgvhjhtgjvffjohgyfg77gigftyhfdr44tmjvyrfjg (Ensinar é fazer com que ele saiba saltar como vocês).

Fomos todos dormir porque já era noite.

No dia seguinte eu despedi-me e fui para casa de balão e senti-me muito feliz por ter salvo alguém.

A partir desse dia os extraterrestres ensinaram muitas coisas uns aos outros e também viveram felizes.

Henrique Paz

(Outubro de 2010)


2 comentários:

Rolando disse...

ola. tudo blz? gostei. a ideia é muito interessante. abraços.

Anónimo disse...

Filhote, adorei este texto. És muito imaginativo e criativo. Beijinhos grandes.